domingo, 21 de novembro de 2010

Decálogo para uma espiritualidade de não violência -Paróquia do Imaculado Coração de Maria- Missionário Claretianos - Santos-SP

01- Aprender a reconhecer e respeitar "o sagrado" em cada pessoa, incluindo a nós mesmos, e em cada parte da Criação. Os atos da pessoa não-violenta ajudam a liberar o Divino no oponente, desde a obscuridade ou cativeiro.

02 -Aceitar-se a si mesmo profundamente, "quem sou" com todos meus dons e riquezas, com todas as minhas limitações, meus erros, falhas ou debilidades, e dar-me conta de que sou aceito por Deus. Viver na verdade de nós mesmos, sem excessivo orgulho, com menos delírio de grandeza e falsas expectativas.

03- Reconhecer que aquilo pelo qual sinto ressentimento, e talvez até deteste, no outro, vem de minha dificuldade de admitir que esta mesma realidade vive também em mim. Reconhecer e começar a renunciar a minha própria violência, a qual se faz evidente quando eu reexamino minhas palavras, gestos, reações.

04- Renunciar ao dualismo, à idéia do "nós/eles" (maniqueísmo). Isto nos divide em "gente boa/gente má" e nos permite satanizar o adversário. É a raiz de uma conduta autoritária e exclusiva. Gera racismo e possibilita os conflitos e as guerras.

05- Enfrentar o medo e abordá-lo com amor, não com valores.

06-Compreender e aceitar que a "Nova Criação", a construção da "Amada Comunidade", é também levada adiante conosco. Nunca é um "ato solitário". Isto requer paciência e capacidade pessoal.

07- Ver-nos a nós mesmos como parte de toda a criação com a qual promovemos uma relação de amor, não de domínio, recordando que a destruição de nosso planeta é um problema profundamente espiritual, não simplesmente científico ou tecnológico. Nós somos um só.

08- Estar dispostos a sofrer, talvez até com alegria, se cremos que ajudaremos a liberar o Divino em nós. Isto inclui a aceitação de nosso lugar e momento na história com seus traumas, com suas ambigüidades.

09-Ser capaz de celebrar, de gozar, quando a presença de Deus for aceita; e quando não for, ajudar a descobrir e reconhecer este fato.

10- Ser paciente, plantar sementes de amor e de perdão em nossos corações e a nosso redor. E como resultado, pouco a pouco cresceremos no amor, na compaixão e na capacidade de perdoar.

http://www.coracaodemaria.org.br/

VIOLÊNCIA: AS VERDADEIRAS ORIGENS.A MORTE DE JOÃO HELIO, DUAS TRAGÉDIAS.

Todas as vezes que acontece um crime bárbaro, a opinião publica “cai de pau” pedindo aumento da punição para os criminosos, sem procurar as causas, pois sem elas nada se resolve. A Televisão faz reportagens, entrevistam as pessoas nas ruas, todos querem entender como seres humanos são capazes de praticar uma crueldade como aquela que fizeram com o Menino João Helio de apenas 06 anos. A violência no Brasil já está estruturada, ela acontece todos os dias, desde pequenos crimes a barbaridade como essa do dia 07.02.07, banalizou-se. Quem está tranqüilo nos dias atuais?

Questionam as diferenças sociais, falta de educação, desestrutura familiar, procuram as razões apenas na sociedade periférica.

Alem da qualidade da educação pública que tem ainda longo caminho a ser percorrido, quem tiver tempo para jogar fora, ligue a TV, a maioria dos programas de audiência são ridículos, de pouca formação e informação, pregam de tudo, a uma liberdade juvenil materialista longe da realidade brasileira, a comportamentos imorais como se fossemos animais ou simples zumbis programados apenas para o sexo e a superficialidade do corpo, muitas vezes estimulando às desagregações familiares. E porque esses programas têm grande audiência? Seria o reflexo da nossa sociedade?

"Qualquer tendência a realizar programas e produtos - inclusive desenhos animados e videojogos - que, em nome do entretenimento, exalta a violência e apresenta comportamentos anti-sociais ou a banalização da sexualidade humana constitui uma perversão, e é ainda mais repugnante quando tais programas são destinados às crianças e aos adolescentes. Como é que se poderia explicar este “entretenimento” aos numerosos jovens inocentes que realmente são vítimas da violência, da exploração e do abuso? Esse trecho inserido é Fonte: Rádio Vaticana, 24 de Janeiro de 2007, festa de São Francisco de Sales. Bento XVI".

E quando acontece um crime cruel, bárbaro, insano, a televisão atira para todos os lados procurando culpados, esquecendo de olhar para seus próprios umbigos.

Esse não pode ser apenas a origem de todos os problemas que causa a violência, mas é um dos problemas, isso ninguém pode negar...

Eu fico imaginando o inimaginável sobre a família do menino João, seus pais, sua irmãzinha de 13 anos, uma dor que ninguém imagina sequer como é. Um menino de 06 anos, 06 anos de sonhos, de metas cumpridas, meu Deus como ficará essa família?

E os suspeitos deste crime horrendo, que são também ainda meninos de 16, 18 e 19 anos?

Não sei quantos vão ler esse texto, mas vamos sair nessa dura realidade brasileira, e procurar detectar a sua verdadeira origem sem cortinas de fumaça. Vamos procurar desmontar esse ódio fabricado, criando uma cultura de paz, moralidade e Fé.

Texto publicado em 10/02/2007 no meu blog http://sintonia777.zip.net