segunda-feira, 17 de abril de 2017

O MEDO PARALISA.

Quando eu vi uma guerreira gritar por justiça, logo lembrei desse poema.
Existe momentos que não devemos nos calar, pois se isso ocorrer seremos esmagados.
Rivaldo R. Ribeiro 


"Na primeira noite eles se aproximam
e roubam uma flor
do nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na segunda noite, já não se escondem:
pisam as flores,
matam nosso cão,
e não dizemos nada.
Até que um dia,
o mais frágil deles
entra sozinho e nossa casa,
rouba-nos a luz e,
conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer nada."

Eduardo Alves da Costa.

OBS. Esse poema muitas vezes erroneamente atribuído a Vladimir Maiakóvski


Nenhum comentário: